A Harmonia Verde: Como a Arquiteta Paisagista Louise Riedtmann Molda Espaços Verdes

Apaixonada por jardins desde criança, Louise Riedtmann não teve dúvidas ao abraçar o paisagismo.

Dedicar-se a um hobby é um privilégio. Melhor ainda quando ele se torna profissão. Foi o que aconteceu com a arquiteta paisagista Louise Riedtmann que transformou o amor à natureza em ofício diário. Nascida em Joinville, SC, morou até os 16 anos em Corupá, cidade ao pé da serra catarinense, abraçada por montanhas, cachoeiras e rica diversidade de flora. “Desde pequena pude aprender com as composições paisagísticas naturais formadas pelo verde exuberante das árvores, folhagens e gramíneas, pelas águas dos rios e cachoeiras e pedras e areias formando piscinas, cavernas e paredões”, recorda.

Além do belo cenário oferecido pelo município, contribuíram para o encantamento de Louise os fatos de a casa em que morava com a família contar com um amplo jardim (cultivado com esmero pelo pai) e de Corupá ser uma grande produtora de plantas ornamentais. “Sempre gostei de brincar em meio ao verde, pendurada nas árvores com meus irmãos”, destaca.

O apreço pela natureza a fez optar pelo curso de Arquitetura e Urbanismo. “Meu objetivo era o urbanismo, que caminha junto ao paisagismo. Mas próximo à formatura vi que o mercado no meu estado era mais amplo na área paisagística e logo busquei especializações neste ramo.”

Antes de formar-se na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), situada em Florianópolis, onde vive atualmente, Louise foi morar em Barcelona, na Espanha. Na cidade ficou fascinada pelos parques, estagiou em um escritório de arquitetura e participou da 3a Bienal Europeia de Paisagismo.

Recém-formada em 2005, abriu seu escritório, o Harmonia Verde Paisagismo e Arquitetura de Exteriores e, ao longo destes nove anos, já assinou mais de cem projetos residenciais e comerciais. Dentre eles, a profissional destaca a sede do Grupo Orsegups em São José, SC, o boulevard verde do Shopping Fiesta, na capital paulista, e os jardins do Ministério de Monitoramento do Plano Nacional do Governo de Angola. “Ao viver no país africano, tive que adaptar meus projetos ao clima local e à pouca disponibilidade de plantas e insumos, o que levou a uma pesquisa intensa e a resultados diferenciados”, descreve.

Para manter-se atualizada e ter novas ideias, a arquiteta paisagista adora viajar. Já esteve em 40 países e, além de aproveitar para visitar belos parques e jardins, também compra revistas e livros sobre a área. “Viajar é a melhor forma de inspiração e relaxamento. É quando recarrego energias e revejo conceitos. Observar o paisagismo de cada cidade é fonte de pesquisa e um dos prazeres da minha vida.”

No futuro, sonha em atuar mais intensamente no setor urbanístico, desenvolvendo projetos em praças e parques e revitalizando áreas carentes. A profissional acredita que o paisagismo é fundamental para o bem-estar dos seres humanos. “Nas últimas décadas, mais da metade da população mundial trocou o campo pela cidade. Com isso, a conexão com o plantio foi perdida – atividade essencial para os antepassados. Atualmente, esse contato com o meio ambiente pode ser promovido pelos jardins. Por isso, o paisagismo deve prezar pela convivência com a natureza, criando refúgios protegidos do mundo confuso e barulhento”, analisa.

ESFERA PESSOAL

Ao chegar em casa, Louise mantém o contato com verde. A arquiteta paisagista fez questão de projetar seu próprio jardim, com piscina, deque com pergolado forrado com trepadeira sapatinho-de-judia (Thunbergia mysorensis), caminhos, cercas-vivas… “Gosto de ver como as plantas se desenvolvem e de fazer experimentos com diferentes combinações de cores e texturas. Em meio ao setor ornamental composto por palmeiras (Arecaceae), buxinhos (Buxus sempervirens) e ipês (Tabebuia spp), tenho um pomar que, além dos frutos, agrega valor estético. Há ainda uma horta, de onde consumimos diariamente temperos e ervas para chás”, conta, orgulhosa.

Casada e com dois filhos, é também na área externa que descansa e se diverte com a família. “Muitos dizem que tenho sorte, pois meu hobby é minha própria profissão. O contato com a natureza, ouvindo os pássaros e as cigarras e apreciando o verde exuberante das árvores no Verão até suas folhas caírem no Inverno, me faz sentir mais viva. Para mim, observar e cuidar do jardim traz relaxamento e paz”, finaliza Louise.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima